Confiança dos supermercadistas cai em maio devido à demora na aprovação da Reforma da Previdência


A Pesquisa de Confiança dos Supermercados do estado de São Paulo, feita pela APAS apresentou aumento de pessimismo na percepção dos supermercadistas com o governo no mês de maio. O otimismo que, em abril, era de 85% nas esferas federal e estadual, foi para, respectivamente, 44% e 22%. A insatisfação, que era zero, pulou para 11% quando se fala da administração da presidência da República e 33% para a administração do governo do estado de São Paulo. Quando se fala do geral, em abril o pessimismo era 23% e, em maio, subiu para 33%.

“Essa queda na confiança com os governos federal e estadual se deve principalmente à demora na aprovação da Reforma da Previdência. O setor, que estava otimista em relação ao tema e esperava um destravamento da economia já no segundo semestre, agora aguarda por um desfecho favorável, mas que ainda não tem prazo para acontecer”, avaliou o economista da APAS, Thiago Berka.

Por conta de todo este cenário, a confiança geral caiu de 33% em abril para 26% em maio. O otimismo com o futuro também seguiu a tendência de queda e foi para 29% em maio, enquanto a neutralidade subiu de 41% para 47%, demonstrando que os empresários migraram suas perspectivas para um patamar de espera, aguardando o que está por vir no segundo semestre.

Fonte: APAS

Na análise entre as variáveis avaliadas na pesquisa de confiança, todas tiveram perda de satisfação ou de relação positiva com o futuro. A queda brusca pode ser percebida na variável “Vendas dos Supermercados”, que saiu de 79% dos empresários esperando aumento nas vendas para 44% dos respondentes. O mesmo ocorreu com a variável “PIB”, em que 33% demonstram pessimismo diante de previsões nada animadoras feitas pelos economistas.

Fonte: APAS

Fonte: APAS


Tags:


Notícias relacionadas


Últimas Notícias



menu
menu