Preços nos supermercados caem 0,02% em agosto – APAS – Associação Paulista de Supermercados

Preços nos supermercados caem 0,02% em agosto


IPS, apurado pela APAS-Fipe, registra deflação puxada pelos preços das carnes bovinas e dos itens in natura em São Paulo

Em agosto, o Índice de Preços dos Supermercados (IPS), calculado pela Associação Paulista de Supermercados (APAS) e pela FIPE, registrou queda de 0,02% em relação ao mesmo período do ano passado. Em julho, o índice geral ficou em 1,77 %.

O resultado reflete a deflação de 5,38% nos itens do grupo dos in natura e de 3,46% nas carnes bovinas. A redução nas cotações das commodities internacionais ligadas à cadeia produtiva dos principais produtos comercializados no mercado interno também contribuiu para o cenário.

Bovinos em queda

As carnes bovinas registraram recuo de 1,24% nos últimos 12 meses e de 1,09% no acumulado do ano. O coxão mole, um dos cortes mais populares, deflacionou 8,29% no mês, 3,95% nos últimos 12 meses e 6,42% no acumulado do ano. “A desaceleração dos cortes bovinos é consequência do equilíbrio na demanda produtiva, após a alta dos preços no 1º semestre decorrente de variáveis como alteração no volume dos rebanhos, a guerra no Leste Europeu e a pandemia da Covid-19. A tendência é de estabilidade para o segundo semestre”, explica Diego Pereira, economista-chefe da APAS.

Carne de porco e frango

A proteína suína continua com preços estáveis. A diminuição de 4,54% nas exportações brasileiras registrada de janeiro a agosto contribuiu para deflação de 0,62% do produto em agosto, de 3,56% nos últimos 12 meses e de 5,97% no acumulado do ano.

O surto da gripe aviária nos EUA e na Europa aumentou em 2% as exportações brasileiras de frango no período de janeiro a agosto. Em contrapartida, a produção interna registrou queda de 0,36%, fator que contribuiu para inflação de 3,92 % registrada de janeiro a agosto e de 10,89 % nos últimos 12 meses.

“Apesar da deflação de 0,15% em agosto, a primeira registrada no ano, a expectativa é que o preço do frango aumente por conta da demanda internacional. O quarto trimestre promete ser desafiador até que ocorra uma segurança no controle de novos casos de gripe aviária nos EUA e na Europa”, explica Pereira.

In natura

Os hortifrutigranjeiros apresentaram deflação de 5,38% no mês, influenciados principalmente pelos itens tubérculos (-10,16%) e legumes (-10,18%). “Embora a queda nos níveis pluviométricos seja um empecilho para a produtividade na lavoura, o sistema de controle mecanizado possibilita o aumento da produção, cria condições para facilitar as colheitas, aumenta a vazão para os Centros de Abastecimento (CEASAS) e contribui para a redução dos preços finais”, explica o economista da APAS.

     Fonte: IPS / FIPE  Elaboração: Consultoria Econômica

As frutas registraram deflação de 0,69% em agosto, com destaque para o mamão (-14,95%) e a laranja (-3,00%), itens cuja oferta subiu por conta das condições climáticas favoráveis.

Os produtos industrializados: Café e Açúcar

Em agosto, o café teve deflação de 0,66%, mesmo com a volatilidade na cotação internacional do produto em virtude da chegada do inverno no Hemisfério Norte e do estoque internacional estar 22% abaixo do ideal. A Colômbia, terceiro maior produtor mundial de café, anunciou que sua produção deste ano recuou  8% em relação a 2021.

O preço do açúcar registrou queda de 2,27% e de 2,74% no acumulado do ano. O cenário é motivado pela redução de 14% das exportações brasileiras, o que favorece a manutenção dos preços internos.

Bebidas, produtos de limpeza e de higiene

As bebidas alcoólicas apontaram inflação de 1,93%. A cerveja, item de maior peso na cesta, subiu 2,06%. O aumento tem relação com o reajuste do malte, produto importado que sofre pressão com a guerra entre Rússia e Ucrânia. As bebidas não alcoólicas tiveram elevação de 2,30%, com o maior aumento para o refrigerante: 3,19% no mês e 17,35% nos últimos 12 meses.

Os preços dos produtos de limpeza sofreram inflação de 2,67% no período e de 24,94% nos últimos 12 meses. O maior peso ficou para o sabão em pó, que subiu 3,83% em agosto. Os artigos de higiene e beleza registram aumento de 1,50%, índice impactado pelo preço do sabonete, que subiu 2,52% no mês.

Perspectiva econômica “Apesar dos primeiros sinais de convergência da inflação, as incertezas do período eleitoral e o consumo estimulado pela Copa do Mundo podem gerar um desequilíbrio no controle inflacionário. A próxima reunião do Copom, em setembro, sinaliza um aumento de 0,25% na taxa básica de juros. Com isso, o PIB pode manter a tendência de alta sem prejuízo dos preços internos e da demanda agregada”, analisa Diego Pereira, economista-chefe da APAS.

Nota Metodológica

O Índice de Preços dos Supermercados tem como objetivo acompanhar as variações relativas de preços praticados no setor supermercadista ao longo do tempo. O Índice de Preços dos Supermercados é composto por 225 itens pesquisados mensalmente em 6 categorias: i) Semielaborados (Carnes Bovinas, Carnes Suínas, Aves, Pescados, Leite, Cereais); ii) Industrializados (Derivados do Leite, Derivados da Carne, Panificados, Café, Achocolatado em Pó e Chás, Adoçantes, Doces, Biscoitos e Salgadinhos, Óleos, Massas, Farinha e Féculas, Condimentos e Sopa, Enlatados e Conservas, Alimentos prontos,); iii) Produto In Natura (Frutas, Legumes, Tubérculos, Ovos, Verduras); iv) Bebidas (Bebidas Alcoólicas, Bebidas Não Alcoólicas); v) Artigos de Limpeza; vi) Artigos de Higiene e Beleza. Assim, o IPS se apresenta como instrumento útil aos empresários do setor na tomada de decisões com relação a preços e custos dos mais diversos produtos. No que diz respeito à indústria, de maneira análoga, possibilita a tomada de decisão com relação a preços e custos dos produtos destinados aos supermercados. Ao mercado e aos consumidores é útil para a análise da variação de preços ao longo do tempo possibilitando o acompanhamento da evolução dos custos ao consumidor do setor supermercadista.

Sobre a APAS – Com 51 anos de tradição, a Associação Paulista de Supermercados representa o essencial setor supermercadista no estado de São Paulo e busca integrar toda a cadeia de abastecimento com a sociedade. A entidade possui 3 distritais na cidade de São Paulo e 13 regionais distribuídas estrategicamente pelo Estado.

Mais informações para a imprensa:

GBR Comunicação

Carlo Gianese – 11 97153-6632 – carlo.gianese@gbr.com.br

Janaina Cezar – 11 94119-1207 –  janaina.cezar@gbr.com.br

Gerson Sintoni – 11 99687-9074 – gerson.sintoni@gbr.com.br

Nelson Rocco – 11 99919-4004 – nelson.rocco@gbr.com.br


Tags:


Notícias relacionadas


Últimas Notícias



menu
menu