Supersimples tem vantagens restritas – APAS – Associação Paulista de Supermercados

Supersimples tem vantagens restritas

Atenção e calculadora afiada ainda são as recomendações dos especialistas em tributação para quem tem dúvidas sobre as vantagens e desvantagens de aderir ao novo Simples Nacional ou Supersimples.

O conselho vale principalmente para as empresas prestadoras de serviços incluídas nas tabelas 4 e 5 do anexo. Para as que se enquadram nas tabelas anteriores, sobretudo no comércio e na indústria, o sistema pode trazer vantagens.

Segundo o presidente do Sindicato dos Contabilistas de São Paulo, Sebastião Luiz Gonçalves dos Santos, o caso mais problemático é o de prestadoras de serviços que terão de obedecer a tabela 5. As empresas do setor que têm despesa com salários e encargos inferior a 40% do faturamento bruto já podem descartar o Simples Nacional, diz o dirigente. As demais têm de fazer as contas:

– Não dá para falar no geral porque as regras são complexas. Terá de ser caso a caso, fazendo a simulação. Descartaria apenas essas com folha inferior a 40% do faturamento, porque não deverão ter vantagem de jeito nenhum – diz.

No Estado, ainda paira insegurança em relação ao destino do Simples Gaúcho, explica o vice-presidente da Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado (Fecomércio), Luiz Carlos Bohn.

– Temos a promessa da governadora Yeda Crusius de que será encaminhado à Assembléia um projeto de lei para fazer a adaptação do programa estadual ao federal, mas, nesse momento, como ainda não ocorreu, há um pouco de insegurança – afirma.

Para as empresas que não poderão se enquadrar no Supersimples, por débitos existentes ou por desvantagens, a projeção é de aumento do custo tributário em relação ao recolhido pelas regras que vigoraram até 1° de julho. Santos alerta para o fato de que poderá haver aumento da informalidade – ao contrário da meta do governo – porque alguns empreendimentos não terão como saldar as dívidas com o Fisco. E, fora do Supersimples, terão de arcar com uma tributação mais pesada.

Balanço

A adesão ao novo sistema até as 12h de ontem:

1,337 milhão de empresas foram transferidas automaticamente

154,709 mil delas no Rio Grande do Sul (11,57% do total)

572 novas empresas ingressaram no sistema

3,185 mil pedidos de ingresso foram deferidos automaticamente

4,574 mil pedidos de ingresso foram indeferidos por problemas cadastrais ou débitos*

* Essas empresas têm até o dia 31 de julho para pedir novo ingresso

Fonte: Receita Federal

Para quem simplifica:

Pequenas empresas da indústria e do comércio, em geral.

Empresas enquadradas nas tabelas 1, 2 e 3 do anexo da lei.

Para quem complica:

Prestadora de serviços enquadradas nas tabelas 4 e 5 do anexo da lei.

Empresas inadimplentes com a Receita.

Empresas gaúchas que estavam enquadradas apenas no Simples Federal (e não no Simples Gaúcho). Agora, a adesão tem de ser ao programa completo.

Para quem não vale a pena:

Prestadoras de serviço cujo pagamento de salários e encargos dos últimos 12 meses seja inferior a 40% do faturamento bruto de igual período.

Fonte: Fecomércio/Sindicato dos Contabilistas de São Paulo

Presidente do Sindicato dos Contabilistas de São Paulo, Sebastião Luiz Gonçalves dos Santos (Fonte: Cenofisco)

Compartilhe na Rede!

Tags:


Notícias relacionadas


Últimas Notícias



menu
menu