Volume de FLV rastreado no Programa RAMA da ABRAS cresce 23,6% em 2016 - APAS - Associação Paulista de Supermercados

Volume de FLV rastreado no Programa RAMA da ABRAS cresce 23,6% em 2016

ABRAS divulgará resultados do Programa RAMA, com foco na segurança alimentar

O Programa de Rastreabilidade e Monitoramento de Alimentos (RAMA), da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), registrou crescimento de 23,6% no volume de frutas, verduras e legumes (FLV) rastreados em 2016, na comparação com o mesmo período de 2015, de acordo com o 2º balanço anual do Programa, divulgado durante o evento RAMA 2020 – Tendências e Inovações na Cadeia Produtiva de Alimentos.

No último ano, foi rastreado um total de 1,244 milhão de toneladas de FLV ante 1,006 milhão de toneladas registradas no mesmo período de 2015, de acordo com a PariPassu, empresa que faz a gestão técnica do Programa. Lançado em 2011, o RAMA monitora e rastreia, no Brasil, uma média mensal de 104 mil toneladas de frutas, legumes e verduras.

“Conscientizar-se da importância do Programa RAMA é entender que somente o trabalho conjunto entre todos os elos da cadeia produtiva de alimentos, por meio da rastreabilidade conseguirá levar produtos de maior qualidade e seguros para o consumidor. Quanto mais evoluirmos na adesão de supermercadistas, produtores e fornecedores, mais rápidos serão os resultados obtidos para toda a sociedade”, destacou o presidente da ABRAS, João Sanzovo, durante discurso na abertura do evento.

Evento

O RAMA 2020 reuniu empresários e executivos da cadeia de FLV de diversas regiões do País. No início das programações, o superintendente da ABRAS e coordenador do RAMA, Marcio Milan, e o diretor da PariPassu, Giampaolo Buso, apresentaram os últimos números do programa.

De abrangência nacional, o RAMA conta hoje com a participação de 44 varejos (que representam 20,5% das vendas totais de FLV comercializados pelo setor no Brasil).

Durante todo o ano de 2016, o RAMA registrou um índice de conformidade da ordem de 73%, apresentando melhora em relação ao mesmo período de 2015, que registrou 66%. As inconformidades se relacionam ao Limite Máximo de Resíduos (LMR), ingredientes Não Autorizados (NA), uma combinação dos dois (LMR+NA) e os ingredientes proibidos, seguindo nomenclatura utilizada pelo Programa de Análises de Resíduos em Alimentos (PARA), da Agência Nacional de Vigilância Sanitátia (Anvisa). No RAMA, 3% dos resultados de 2016 estão acima do LMR, de acordo com a PariPassu.

“Em 2011, lançamos o Programa RAMA com um conceito colaborativo e de integração dos elos da Cadeia Produtiva de FLV, com o foco na qualidade e na segurança do alimento consumido pelos clientes de supermercados. O evento RAMA 2020 nos dá a possibilidade de discutirmos a rastreabilidade com os elos da cadeia de abastecimento. Precisamos da ajuda de todos para melhorarmos nossas ações e evoluirmos”, destaca o superintendente da ABRAS.

Para o diretor da PariPassu, Giampaolo Buso, o RAMA é uma oportunidade em nível nacional de mostrar o esforço das empresas em entregar um alimento seguro e com qualidade ao consumidor.

“O programa é uma referência em rastreabilidade de alimentos. Utilizamos os melhores profissionais e as melhores tecnologias. A conscientização sobre a importância do RAMA é fundamental para ampliarmos nossa abrangência.”

O programa conta atualmente com três associações estaduais atuantes: Associação Catarinense de Supermercados (ACATS), Associação Sergipana de Supermercados (ASES) e Associação de Supermercados do Rio Grande do Norte (ASSURN).

Clique abaixo e confira a apresentação do 2º Balanço RAMAna íntegra.

 


Tags:


Notícias relacionadas


Últimas Notícias



menu
menu